sexta-feira, 10 de março de 2017

Apresentação de TCC na UFES é invadida por bandidos e roubam aluna

Uma aluna do curso de Desenho Industrial foi assaltada e mantida refém enquanto aguardava para apresentar o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), na Universidade Federal do Espírito Santo, no campus Goiabeiras, na manhã desta sexta-feira (10), por volta das 9h.

Ela e uma outra pessoa que participaria da banca examinadora do trabalho da estudante estavam uma sala, do Cemuni IV, no campus de Goiabeiras, acertando os últimos detalhes da apresentação. Enquanto um professor se ausentou do local, dois homens armados entraram na sala, abordaram as vítimas e anunciaram o assalto.

"Eles nos trancaram na sala e ficamos lá com eles por cerca de 10 minutos. Fiquei muito assustada, parecia uma eternidade. Hoje seria um dia feliz para mim, encerraria uma etapa da minha vida e fecharia a minha graduação. Não consegui apresentar o trabalho, estou me sentindo péssima", desabafou a estudante. 

Os assaltantes levaram dois notebooks, um da estudante e outra da própria Ufes; um projetor; os celulares das duas vítimas; dinheiro e documentos. Os bandidos trancaram a sala e a as estudantes só conseguiram sair após a saída dos dois homens. 

"Neste momento, muitos alunos já estão de férias e não tem muita gente na universidade. Por conta disso, não achei que eles entraram na sala para fazer nada a não ser pedir alguma informação. Só quando eles se aproximaram e mostraram a arma é que a ficha caiu", conta a universitária que prefere não se identificar.

UFES

Em nota, a Ufes informa que, após a Gerência de Segurança e Logística da Ufes ser acionada, os seguranças terceirizados da universidade perseguiram os suspeitos, mas eles saíram do campus antes que pudessem ser alcançados. A partir daí, a Polícia Militar foi acionada. 

A universidade diz que além de vigilantes armados próprios e terceirizados, o campus de Goiabeiras conta com um sistema de 415 câmeras que funcionam por 24 horas. Por questões de segurança, a Gerência de Segurança não expõe o quantitativo de seguranças que atuam na Universidade. Em caso de movimentação suspeita, vigilantes que rondam o campus são acionados. Caso seja necessário, é solicitado o reforço das polícias Militar e Civil. 

As imagens foram capturadas e serão disponibilizadas à polícia. 

A Gerência de Segurança da Ufes informa, ainda, que qualquer caso de roubo ou de ameaça à segurança deve ser comunicado por meio do telefone 4009-2727, que funciona 24 horas.

Fonte: http://novo.gazetaonline.com.br/noticias/cidades/2017/03/bandidos-invadem-apresentacao-de-tcc-e-roubam-aluna-em-sala-da-ufes-1014032502.html

quinta-feira, 9 de março de 2017

Assalto é registrado novamente no campus Santa Mônica da UFU

Um estudante foi assaltado na noite desta segunda-feira (7), no Campus Santa Mônica da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). De acordo com a Diretoria de Comunicação (Dirco) da instituição, um suspeito, armado com uma faca, rendeu o aluno próximos aos blocos 1J e 1F, por volta das 19h e roubou o celular da vítima. Este é o segundo roubo no campus em menos de sete dias. No último dia 1º, um aluno do curso de Administração e um professor foram assaltados dentro de uma sala de aula, no bloco 3Q.

Segundo a assessoria de comuniçação, o setor de vigilância fez um registro interno da ocorrência. O estudante foi orientado a procurar a polícia para registrar boletim de ocorrência. A PM informou ao G1 que não foi registrada nenhuma ocorrência referente ao roubo.

A UFU informou ainda que uma reunião foi realizada na tarde desta terça, mas não foi conclusiva e que a instituição está em processo de entedimento com a PM para discutir ações que possam diminuir os índices de violência nos campi. A assessoria destacou também que o motivo do encontro não foi o assalto registrado nesta segunda, pois a reunião já estava agendada.

CLIQUE AQUI, para ler a matéria completa.

Fonte: http://g1.globo.com/minas-gerais/triangulo-mineiro/noticia/2017/03/mais-um-assalto-e-registrado-em-campus-da-ufu-em-uberlandia.html
Enviado por: Mozarte - UFRGS

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

28 pessoas são presas em ação contra desvio de recursos públicos na UFPR

Fonte: G1

A Polícia Federal (PF) realiza uma operação para combater a prática de desvio de recursos públicos destinados à Universidade Federal do Paraná (UFPR) na manhã desta quarta-feira (15) em cidades do Paraná, Mato Grosso do Sul e Rio de Janeiro. A ação foi batizada de 'Research'.

De acordo com a Polícia Federal, 28 pessoas tinham sido presas até o fim da manhã.

A secretária da pró-reitoria de Planejamento e Orçamento, Tânia Márcia Catapan, e Conceição Abadia de Abreu Mendonça, que é chefe do setor de Orçamento e Finanças do mesmo setor, são suspeitas de ser as principais responsáveis pelo desvio de, pelo menos, R$ 7,3 milhões em bolsas de pesquisa para 27 pessoas.

Ambas foram presas pela manhã e tiveram o exercício da função pública suspenso pelo juiz Marcos Josegrei da Silva.

"Há indícios substanciais, portanto, de autoria delitiva direta em relação às servidoras públicas federais CONCEIÇÃO ABADIA DE ABREU MENDONÇA e TÂNIA MARCIA CATAPAN quanto aos desvios de recursos públicos objeto de investigação. A esta altura vale a pena recordar que CONCEIÇÃO MENDONÇA anteriormente já foi denunciada pelas práticas no ano de 2008 dos crimes capitulados nos arts. 312 do CP (peculato) e no art. 89 da Lei nº 8666/93 (fraude em procedimento licitatório)", disse o juiz no despacho em que autorizou as prisões.

Na decisão, o juiz ressaltou ainda que "os processos concessórios das bolsas não foram encontrados e, ao que tudo está a indicar, nem mesmo existiam". 

"Os desembolsos eram autorizados pela Instituição de Ensino com base em singelos expedientes que levavam os nomes dos beneficiários e os valores a serem pagos. Esse estado de coisas conduziu a pagamentos mensais a quem sequer vínculo com a Universidade possuía ocasionando um desfalque inaceitável de mais de R$ 7 milhões em um período superior a três anos sem que, para dizer o mínimo, ninguém da instituição de ensino percebesse, ainda que os fatos se repetissem mensalmente", declarou Josegrei.

O G1 tentará contato com os advogados dos envolvidos. De acordo com a Justiça Federal, até as 10h50, os investigados não tinham advogado constituído.

Ao todo, foram expedidos 73 mandados judiciais, sendo 29 de prisão temporária, 8 de condução coercitivas, que é quando a pessoa é levada para prestar depoimento, e 36 mandados de busca e apreensão. Entre os alvos, estão dois funcionários públicos federais.

As prisões têm prazo de cinco dias e podem ser prorrogadas pelo mesmo período ou convertidas para preventivas, que é quando os presos ficam detidos por tempo indeterminado.

Investigações apuram repasse irregular de recursos

As investigações apuraram o repasse irregular de recursos mediante pagamentos sistemáticos, fraudulentos e milionários de bolsas a inúmeras pessoas sem vínculos com a universidade no período entre 2013 e 2016, segundo a PF.

Ainda conforme os policiais, há indícios concretos de fraudes em pagamentos de título de auxílio a pesquisadores, bolsas de estudo no país e no exterior a diversas pessoas que não tinham vínculo com a Universidade Federal do Paraná.

A operação é realizada em parceria com a Controladoria Geral da União e o Tribunal de Contas da União. 

Em nota, a UFPR disse que as suspeitas de irregularidades no pagamento de bolsas e auxílios são objeto de investigações internas na UFPR desde dezembro de 2016, quando a própria universidade também tomou a iniciativa de encaminhar o caso à Polícia Federal, para investigação criminal. 

Leia matéria completa AQUI!

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Violência instaurada dentro da Academia: Suspeitos de tráfico de drogas são detidos dentro da UFPA

Quatro suspeitos de tráfico de drogas foram detidos nesta quinta-feira (9), dentro da Universidade Federal do Pará (UFPA), em Belém, bairro do Guamá. Com os presos, os policiais civis apreenderam 13 porções de maconha, na forma conhecida por "limãozinho", e 40 tiras e três tabletes de "skank" - maconha modificada em laboratório.

Segundo a Polícia Civil, os suspeitos não são alunos da universidade, e foram detidos após três dias de investigações. De acordo com o delegado da Seccional do Guamá, Daniel Castro, os suspeitos vendiam entorpecentes na área do Vadião, que fica na orla na UFPA.

Segundo o delegado Daniel Castro, diretor da Seccional Urbana do Guamá, a operação policial atendeu a uma demanda feita pela própria direção da UFPA em relação ao tráfico de drogas que vinha ocorrendo na área do "vadião". "Isso vinha incomodando as pessoas que frequentam o setor médico, o setor bancário e o restaurante dos funcionários, porque o tráfico de drogas estava descarado no local", disse o delegado.

A operação foi articulada em conjunto com o Núcleo de Segurança da UFPA. "Foram efetuadas filmagens no campus, onde se constatou que a venda de drogas estava ininterrupta no local", diz o delegado.

Leia a matéria na integra AQUI!

Fonte: http://g1.globo.com/pa/para/noticia/2017/02/suspeitos-de-trafico-de-drogas-sao-detidos-dentro-da-ufpa-em-belem.html
Enviado por: Mozarte - UFRGS

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

SEGURANÇA NA UFSCar

Alunos falam da insegurança. Bandidos invadiram o prédio da reitoria no fim de semana. A TV UFSCar mostra também como a universidade pretende encarar o problema.
Publicado em 25 de jan de 2017

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Segurança-UFMS comemora 36 anos da criação;

Em dezembro a Divisão de Proteção Patrimonial e da Comunidade (DIPP) da UFMS comemora os 36 anos de sua criação. Vinculada à Pró-Reitoria de Infraestrutura (Proinfra), a divisão está localizada em área em frente ao prédio da Reitoria e tem como objetivos principais resguardar o patrimônio público e zelar pela integridade de todos os que frequentam a Universidade.

primeira-viatura-da-seguranca_carro
Primeira viatura da Divisão 1980


De acordo com o atual chefe da divisão, Milton de Alcântara, os primeiros componentes da DIPP foram 60 servidores que, como ele, vieram da 14ª Cia. de Polícia do Exército ou da 9ª Cia. de Guarda. Alcântara já está há 12 anos frente à chefia da Proteção Patrimonial e da Comunidade e realizará, junto ao Pró-Reitor de Administração e Infraestrutura, Claudio Cesar da Silva, e a Geraldo Rodrigues Gonçalves (GT-Segurança), a entrega aos servidores mais antigos de um certificado de reconhecimento pelo excelente serviço prestado nesses 36 anos à segurança da UFMS. A entrega será em uma celebração interna a ser realizada no próximo dia 22.

Dentre outras atribuições da DIPP estão: zelar pela manutenção da ordem interna da Universidade e orientar a comunidade universitária em questões relacionadas à segurança e instalações. Ao longo desses 36 anos de existência a divisão já realizou e também levou seus componentes a participarem de diversos cursos e treinamentos e seminários nacionais, observando uma das atribuições da DIPP que é manter a constante atualização dos métodos de trabalho e tecnologias empregadas.

Confira na galeria algumas das imagens históricas da divisão.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

PLS 173/08


SENADO FEDERAL
Secretaria-Geral da Mesa
Acompanhamento de Matérias

A seguinte matéria de seu interesse sofreu ações em: 13/12/2016


Autoria: Senador Paulo Paim

Ementa: Altera a Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990, que dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais, para acrescentar o adicio...

13/12/2016 SACCJ - Secretaria de Apoio à Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania

Situação: PRONTA PARA A PAUTA NA COMISSÃO

Recebido, às 18h25min, o relatório do Senador Ataídes Oliveira, com voto pela aprovação do Projeto e da Emenda nº 1-CAE. Matéria pronta para a Pauta na Comissão.

........................................

Data de Leitura: 06/05/2008
Indexação:
ALTERAÇÃO, LEGISLAÇÃO, (RJU), DISPOSITIVOS, INCLUSÃO, CONCESSÃO, ADICIONAL, RISCO DE VIDA, GARANTIA, BENEFÍCIO, SERVIDOR PÚBLICO CIVIL, UNIÃO FEDERAL, AUTARQUIA FEDERAL, FUNDAÇÃO PÚBLICA.